Caio se diz em paz após trocar São Paulo pelo Palmeiras

Placar 88

caio-paulista-1-1
Apresentado nesta segunda-feira, lateral-esquerdo fala sobre a polêmica negociação: “No futebol a gente sabe que a única garantia que tem é com papel em cima da mesa”

Caio Paulista sustenta o semblante tranquilo pelos quase 30 minutos de entrevista, com poucos sorrisos entre as palavras. Por um momento, contudo, levanta o olhar sobre as cadeiras para avistar cinco pessoas ao fundo da sala: os três irmãos e a mãe, Cintia, ao lado do esposo. Foram eles o porto seguro na polêmica decisão de trocar o rival São Paulo pelo Palmeiras.

– Fiz uma reunião com eles, e ela falou: “Filho, fecha os olhos, e segue teu caminho, segue teu coração, você sabe que deu seu melhor”. A vida abre e fecha ciclos. Eu espero que o meu aqui seja muito vitorioso – disse o atleta, apresentado nesta segunda-feira.

Caio estava no São Paulo por empréstimo do Fluminense na última temporada, e chegou a ser dado como certo pelo Tricolor para 2024, que negociava a forma de pagamento, quando o Palmeiras entrou na história. O Verdão procurou os envolvidos para entender as condições de negócio, fez uma proposta, e Caio Paulista aceitou.

– No futebol a gente sabe que a única garantia que tem é com papel em cima da mesa, apenas falar nada se resolve – afirmou.

Mesmo assim, a transferência de Caio Paulista terminou marcada por uma avalanche de críticas sobre a escolha do lateral-esquerdo e atacante, por vezes culpabilizando o atleta pela mudança. Ele diz que se sentiu valorizado pela procura do Palmeiras e deixa claro: está de consciência tranquila sobre as próprias decisões.

– Eu aprendi na minha vida que o que as outras pessoas fazem, a gente não pode controlar. O que podemos é controlar o jeito que levamos nossa vida e o mais importante é conseguir deitar no travesseiro e descansar. Estou em paz.

“Sempre fui um cara honesto, nunca fiz sacanagem com ninguém, sou um cara trabalhador. Quem conhece minha família sabe da minha índole, sou muito bem educado.”

– Estou em um clube gigante, vou focar na minha vida, porque o que passou, passou. Novos ares, uma nova casa e uma nova família – finalizou.

Questionado se a transferência poderia ser considerada um “chapéu” do Palmeiras sobre o São Paulo, Caio Paulista descartou a possibilidade. Afasta-se do termo para mostrar o caráter transparente da negociação.

– No meu caso não houve chapéu algum. Foi tudo muito claro entre todas as partes, houve a oportunidade de vir e eu vim porque eu queria esse desafio, queria ajudar, eu quero me ajudar, ajudar minha família também.

– Eles vieram me prestigiar e como eles vieram eu torço muito por eles, quero manter minha família sorrindo, mas nos piores momento da minha vida eles estiverem comigo. Poder retribuir essa alegria realizando meu sonho de ser jogador, de estar em uma equipe gigante, isso que me motiva mais ainda a estar aqui. É olhar para eles e ter total apoio deles.

Fotos: GOOGLE
Fonte: GE
0%