Terroristas do Hezbollah recrutam brasileiros para ataques contra comunidade judaica no DF

Jornal da Notícia

HESBOLLAH

Depois de um primeiro alerta enviado pelos Estados Unidos, investigações da Polícia Federal evitaram um atentado iminente no Brasil. O grupo terrorista libanês Hezbollah recrutou brasileiros para ataques contra a comunidade judaica no Distrito Federal.

Os vídeos, exibidos no Fantástico, foram gravados em 2023, em Taguatinga, Brasília. É possível ver que um carro passa em frente a uma sinagoga e retorna, para um instante no mesmo lugar e vai embora.

Já em outro vídeo, o rádio está ligado e há um bebê no carro. Um veículo então passa em frente a outra sinagoga, em Águas Claras, também no Distrito Federal. No último vídeo, um carro passa pelo cemitério israelita de Brasília.

As sinagogas e o cemitério fazem parte de uma lista encontrada com um dos acusados de terrorismo preso pela polícia federal no fim de 2023.

A lista tem oito locais representativos da comunidade judaica em Brasília e em Goiás, além de um levantamento sobre um rabino.

A Polícia Federal afirma que as investigações evitaram um atentado terrorista que poderia ser cometido no Brasil.

Os vídeos estavam guardados online, e o e-mail de acesso à conta é de Lucas Passos Lima, preso pela polícia federal em novembro de 2023, quando voltou da segunda viagem que fez ao Líbano.

Ele é um dos brasileiros que, segundo as investigações, foi recrutado pelo grupo libanês Hezbollah. Apoiado pelo Irã, o grupo é considerado terrorista por países como Estados Unidos, França e Alemanha. O contato de Lucas é um sírio naturalizado brasileiro.

Quem também está sendo investigado é Mohamad Khir Abdulmajid, procurado pela Interpol por ser o principal alvo da operação que apura o recrutamento de brasileiros pelo grupo extremista Hezbollah.

Lucas e Mohamad são réus pelos crimes de terrorismo e organização criminosa, mas a investigação continua. Uma parte do inquérito foi desmembrada para que a PF siga investigando outros brasileiros que também foram procurados pelo Hezbollah.

Fonte: G1

0%