Serial killer tem execução suspensa nos EUA após médicos falharem oito vezes em achar veia para aplicar injeção letal

Jornal da Notícia

istockphoto-514916753-612x612

O estado de Idaho, nos Estados Unidos, interrompeu a execução do serial killer (assassino em série) Thomas Eugene Creech na quarta-feira (28) depois que a equipe médica responsável pela injeção letal não conseguiu encontrar uma veia para administrar o veneno via endovenosa.

Creech, de 73 anos, é uma das pessoas condenadas à morte há mais tempo na prisão: ele cumpre pena há 50 anos. Ele foi condenado por cinco homicídios que ocorreram em três estados diferentes. Suspeita-se que ele cometeu outros assassinatos. (veja mais abaixo).

Nesta quarta-feira, ele foi levado até o local onde seria executado, dentro de uma instituição de segurança máxima no estado de Idaho.

Três membros da equipe médica tentaram encontrar uma veia para injetar o veneno –no total, foram oito tentativas de inserir um cateter em um vaso sanguíneo. Em alguns dos casos, não conseguiam acesso a uma veia, em outros, até conseguiram, mas tinham receio de que a via fosse dar problemas no meio do procedimento.

Os profissionais tentaram com veias nos braços, nas pernas, nas mãos e nos pés.

Depois de cerca de uma hora, a execução foi suspensa.

Essa seria a primeira execução no estado do Idaho em 12 anos.

A equipe responsável por matar era só de voluntários, cujas identidades não foram reveladas. Eles usaram máscaras para esconder os rostos.

Durante as tentativas de injeção, Creech olhou para seus familiares que estavam sentados em um cômodo ao lado diversas vezes.

O diretor do departamento de penas, Josh Tewalt, afirmou que há outras formas de execução, mas que há um artigo da Constituição dos EUA que proíbe penas cruéis ou pouco comuns.

Os advogados do homem condenado entraram na Justiça pedindo a suspensão da execução com o argumento de que “a tentativa de execução terrivelmente malfeita” prova a “incapacidade do departamento de realizar uma execução humana e constitucional”.

Fonte: G1

0%