Recepções do HM de Americana disponibilizam cordão de girassol a pacientes com deficiências ocultas

Jornal da Notícia

hm

As recepções dos prontos-socorros infantil e adulto (PSI e PSA) do Hospital Municipal Dr. Waldemar Tebaldi, em Americana, passaram a disponibilizar, a partir desta sexta-feira (26), o cordão de girassol, objeto para identificação de pacientes com deficiências ocultas. O uso do item vai garantir atendimento prioritário a pessoas com autismo, surdez, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), doença de Crohn, esquizofrenia e outras condições físicas, mentais e neurológicas que não são percebidas de imediato.

Hospital Municipal de Americana Disponibiliza Cordão de Girassol

Nos dois prontos-socorros foram instaladas placas de PVC, com informações sobre o cordão de girassol e orientações para a retirada nas recepções. As equipes de recepcionistas do HM foram treinadas para realizar o acolhimento e atendimento prioritário dos pacientes.

“Pessoas que apresentam desenvolvimento atípico, que carecem de maior cuidado e atenção, acabam vivenciando situações de constrangimento ou conflito na hora de usufruir de seus direitos legais, especialmente nos serviços públicos de saúde. Na prática, o objetivo do cordão de girassol é evitar essas situações e garantir o atendimento prioritário e humanizado a esse público-alvo”, observa a diretora técnica do Hospital Municipal de Americana, Marcella Pozetti.

O secretário de Saúde, Danilo Carvalho de Oliveira, afirma que a medida representa mais um avanço significativo no processo de acolhimento. “Esta é uma importante medida, que tem como propósito melhorar o acolhimento do paciente, considerando as suas condições específicas de saúde. Nesse sentido, é uma evolução na rotina do atendimento, que tende a ser cada vez mais inclusivo, resolutivo e humanizado”, considera.

“A introdução desse acessório nos prontos-socorros é de extrema importância, tanto para a conscientização da população quanto para a construção de equipamentos de saúde mais acolhedores e inclusivos”, acrescenta o diretor da Santa Casa de Misericórdia de Chavantes (SCMC) em Americana, Klebson Soares Carvalho – a organização social administra o Hospital Municipal por meio de gestão compartilhada com a Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Americana.

Como vai funcionar?

Para obter o cordão de girassol, o paciente deve comprovar a existência da patologia por meio de laudo ou declaração médica no momento de abertura de ficha nas recepções do PSA e PSI. A partir disso, o cordão será doado ao paciente.

“Para garantir o atendimento prioritário e mais ágil em outras oportunidades, cada vez que retornar ao HM o paciente deverá utilizar o cordão e comprovar a existência do transtorno oculto”, salienta a psicóloga clínica do HM e presidente da Comissão de Humanização da Chavantes, Ana Cláudia Vieira Bessa.

Lei Federal

No Brasil, a utilização de cordões com estampa de girassóis em locais públicos foi instituída pela Lei Nº 14.624, de 17 de julho de 2023, que complementa o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei Nº 13.146/2015).

A nova legislação estabelece que o objetivo “da fita com desenhos de girassóis” é a identificação de pessoas com deficiências ocultas, mas que seu uso é opcional e sua ausência não prejudica o exercício de direitos e garantias previstos em lei.

Além disso, informa que o uso do cordão de girassol “não dispensa a apresentação de documento comprobatório da deficiência, caso seja solicitado pelo atendente ou pela autoridade competente”.

Fonte: Assessoria Comunicação Prefeitura Americana

 

 

 

 

0%