Ministros de Lula saem em defesa de padre Júlio Lancellotti, alvo de pedido de CPI em SP

Jornal da Notícia

PADRE

Alvo de um pedido de CPI na Câmara Municipal de São Paulo, o padre Júlio Lancellotti recebeu apoio de ministros do governo Lula contrários à comissão.

O ministro da Advocacia-Geral da União, Jorge Messias, publicou em seu perfil na rede X (antigo Twitter), nesta quinta-feira (4), que Lancellotti é o “padre dos pobres” e fez associações bíblicas sobre o risco de uma CPI.

O ministro afirmou que “Jesus já nos alertou que o caminho dos que cuidam dos necessitados e injustiçados não seria fácil”. “Espero que o bom senso prevaleça e deixem o Padre dos pobres trabalhar em paz.”

Para Messias, o padre exerce um trabalho imprescindível junto à população de rua.

A polêmica surgiu depois que o vereador Rubinho Nunes (União-SP) protocolou um pedido de CPI Câmara Municipal para apurar a atuação de ONGs na Cracolândia. O padre seria um dos investigados.

Também pelas redes sociais, o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse que uma CPI contra o padre é “inacreditável” e “parece uma tentativa de perseguição a defensores da justiça social”.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, publicou que “a instalação de uma CPI para investigar o padre Júlio, além de uma arbitrariedade criminosa, é também inconstitucional, já que não há fato determinado a ser investigado”.

Aos 75 anos, o padre Júlio Lancellotti popularizou o uso do termo “aporofobia” para descrever aversão, medo, à pobreza como uma das razões para falta de assistência à população de rua.

Fonte: CNN

0%