Ataque do Irã parecia planejado para minimizar baixas e maximizar espetáculo

Jornal da Notícia

crise_israel_ira_palestina1

Uma guerra silenciosa que durou décadas irrompeu abertamente durante a noite, quando drones e mísseis iranianos iluminaram o céu noturno de Israel e da Cisjordânia ocupada. A operação de Teerã foi altamente coreografada, aparentemente concebida para minimizar as baixas e ao mesmo tempo maximizar o espetáculo.

Essa foi uma missão complexa. Mais de 300 drones e mísseis navegaram sobre os vizinhos do Irã, incluindo a Jordânia e o Iraque –ambos com bases militares dos EUA– antes de penetrarem no espaço aéreo do inimigo mortal do Irã: Israel. Os aliados de Israel ajudaram a abater a maior parte dessas armas, mas não conseguiram evitar o que durante muito tempo se acreditou ser o cenário apocalíptico do Oriente Médio: o primeiro ataque da República Islâmica a Israel.

O lendário sistema de defesa aérea de Israel, o Domo de Ferro, não decepcionou os israelenses, muitos dos quais foram para abrigos de proteção. Apenas um pequeno número de locais foram atacados, incluindo uma base militar e uma área no deserto de Negev, ferindo uma criança beduína, enquanto o domo defendia contra um dos maiores ataques de drones da história.

No entanto, essa foi uma operação que parecia concebida para falhar –quando o Irã lançou os seus drones assassinos a partir do seu próprio território, a cerca de 1.600 quilômetros de distância, estava avisando Israel com horas de antecedência.

O simbolismo do ataque fez o trabalho pesado. Em vez de disparar de um dos países vizinhos onde o Irã e os seus aliados não estatais estão presentes, este foi um ataque direto do território iraniano ao território israelense. Isso comprometeu a capacidade do Irã de prejudicar Israel porque roubou à operação o elemento surpresa.

No entanto, durante cerca de quatro horas, o mundo prendeu a respiração enquanto as armas zuniam pelo céu noturno. Eram bolas de fogo pairando no alto enquanto espectadores de três países diferentes filmavam imagens que pareciam indicar o início de uma guerra cataclísmica.

O tempo de espera significou que Israel e os seus parceiros regionais puderam preparar as defesas de Israel, e a operação representou pouco mais do que um espetáculo terrível de fogos de artifício. Quando a missão permanente do Irã nas Nações Unidas tuitou que a operação tinha sido “concluída”, foi fácil sair dela pensando que a República Islâmica estava apenas latindo sem morder.

O ataque serviu como retaliação contra os ataques aéreos israelenses ao consulado do Irã em Damasco, no início de abril, que mataram um comandante do alto escalão, e estava de acordo com as expectativas dos serviços de inteligência e dos analistas dos EUA.

A liderança do Irã se sentiu compelida a atacar Israel, a fim de reiterar a sua posição como uma potência regional e de dissipar a noção de que o país era fraco. Ele duplicou a sua demonstração de força ao lançar a operação a partir do seu próprio território e não por procuração na Síria, no Líbano, no Iêmen ou no Iraque.

 

Fonte: CNN

 

0%