Deputado dos EUA diz que a guerra em Gaza ‘deveria ser como Nagasaki e Hiroshima’

Entretenimento

blog-walberg
Assessoria do parlamentar disse que foi ‘apenas uma metáfora para apoiar a rápida eliminação do Hamas por Israel’

O deputado Tim Walberg (republicano do Michigan), de 72 anos, disse na semana passada, durante evento na Câmara Municipal de Dundee (Michigan, EUA), que a guerra em Gaza “deveria ser como Nagasaki e Hiroshima”.

Invocando os ataques atômicos dos EUA ao Japão, em agosto de 1945, que puseram fim à Segunda Guerra Mundial e deixaram mais de 200 mil mortos.

“Acabe com isso rápido”, disse Walberg, membro da Câmara dos Representantes, sobre o conflito em Gaza, iniciado após ataque do Hamas a um festival em Israel, em 7 de outubro, provocando centenas de mortes, contou o “Huffington Post”.

De acordo com a assessoria do parlamentar, a declaração de Walberg era “apenas uma metáfora para apoiar a rápida eliminação do Hamas por Israel”.

“Ele tem grande empatia pelas pessoas inocentes em Gaza que foram colocadas nesta situação devido ao ataque realizado pelo Hamas que deixou 1.163 civis inocentes mortos”, declarou o assessor Mike Rorke.

O comentário de Walberg, que é parlamentar desde 2011, foi em resposta a uma pergunta feita por alguém na reunião sobre o envio de tropas dos EUA para Gaza.

Desde o ataque de 7 de outubro, as Forças de Defesa Israelenses, com apoio dos EUA, têm-se envolvido numa campanha de bombardeamentos implacável que deslocou a maioria dos residentes de Gaza e matou mais de 30 mil deles, incluindo muitas mulheres e crianças.

O presidente americano, Joe Biden, está sob grande pressão para financiar a ajuda humanitária à Faixa de Gaza, onde a população é assolada pela fome.

Israel recusou apelos internacionais para abrir mais rotas terrestres para entrega de ajuda.

Em resposta, o Departamento de Defesa anunciou no início deste mês que iria construir um cais para remessas de ajuda ao largo da costa de Gaza, no Mar Mediterrâneo.

A logística envolvida na construção do cais, no entanto, levou a questões sobre como evitar que as tropas dos EUA sejam colocadas em perigo.

Fonte: Page Not Found
0%