Hamilton diz que foi roubado de título da F1 em 2021

Placar 88

gettyimages-1358584963
Heptacampeão afirma “estar em paz” três anos depois de perder o campeonato na última volta do GP de Abu Dhabi

derrota para Max Verstappen na disputa do Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2021 ainda não saiu da mente de Lewis Hamilton. O heptacampeão mundial, apesar de dizer que “está em paz” com a questão, afirmou que foi roubado no Grande Prêmio de Abu Dhabi e diz ainda sentir quando assiste vídeos da corrida.

O ano de 2021 contou com a disputa mais intensa da Fórmula 1 nos últimos anos. Na ocasião, Lewis Hamilton e Max Verstappen chegaram ao GP de Abu Dhabi, o último da temporada, empatados com 369,5 pontos. Quem terminasse na frente levaria o título da categoria, decido na última volta por decisões da direção de prova que fugiam do regulamento.

– Fui roubado? Obviamente. Quero dizer, você conhece a história. Mas acho que o que foi realmente lindo naquele momento, o que tiro disso, foi que meu pai estava comigo. E passamos por essa enorme montanha-russa da vida juntos, com altos e baixos. E no dia que mais doeu, ele estava lá, e a forma como ele me criou foi sempre em pé, com a cabeça erguida – disse Hamilton.

Um acidente nas últimas voltas colocou o safety car na pista e fez a vantagem de 14s de Hamilton para Verstappen diminuir. O holandês foi aos boxes e colocou pneus macios para se aproximar da Mercedes. O carro de segurança, de acordo com o regulamento, deveria ter feito mais uma volta, que seria a última da corrida, mas a direção de prova errou e o chamou antes. Assim, mais rápido, Max não teve dificuldades de assumir a ponta e conquistar o título. Em entrevista à GQ, o piloto britânico afirmou que mantém uma relação de paz com a questão.

– Se eu ver um clipe disso, ainda sinto. Mas estou em paz com isso. Meus fãs estavam realmente decididos em relação a isso. A princípio não consegui entender, mas percebi que não é fácil se relacionar com alguém que sempre termina em primeiro. É inspirador. Mas nunca houve uma história de superação até agora.

Mercedes protestou duas vezes na FIA mas não obteve sucesso. Tanto Toto Wolff, chefão da equipe alemã, quanto Lewis Hamilton não estiveram na premiação de 2021, o que gerou uma punição para o heptacampeão.

A principal decorrência foi a retirada de Michael Masi do cargo de diretor de provas da FIA em fevereiro de 2022, determinada pelo novo presidente Mohammed ben Sulayem e com apoio de Stefano Domenicali, CEO da F1. Meses depois, ele decidiu deixar a categoriaEm março de 2022, a FIA divulgou seu relatório final sobre o episódio, admitindo “erro humano” e apontando fatores que levaram aos erros em Abu Dhabi. A entidade ainda reconheceu que o regulamento não foi seguido, mas reforçou a autoridade do diretor de provas.

A F1 segue neste fim de semana para a quarta etapa da temporada 2024, o GP do Japão, em 7 de abril.

Fotos: Lars Baron/Getty Images
Fonte: GE
0%